.

.

Mensagem do dia

20 outubro 2015

Comentário preconceituoso

Em um determinado site religioso estampa a noticia da presença de um homem publico ao estado do Vaticano para entregar uma carta-convite a sua santidade o papa. A minha impressão e a de todos que comigo leram, foi que a viagem teria sido exclusivamente para a entrega da carta, daí o meu comentário descontraído... Interrogativo: de férias? Tá podendo... Vaticano? Hum....

Isso foi o bastante para que senhor João das couves, nome fictício,  me atacasse de uma maneira preconceituosa.

Visitei o perfil do João facebokeiro e para minha surpresa o palavreado partiu de um escritor... poeta... músico... curso superior.....e maior foi o procurar na rede social depois para agradecer pelo meus 15 minutos de sucesso e não o encontrei mais.
Ainda assim deu tempo de colocar na sua página a minha resposta. Em destaque de cor vermelha estão os adjetivos a mim atribuídos no seu comentário.

Sr. João
Não seria de bom “TOM” fazer um comentário em uma determinada página, muito menos de uma Instituição, seja lá de que rede social for para falar ou questionar qualquer que fosse o assunto que diminuísse... ferisse...denegrisse a imagem da referida em questão, observando-se que em momento algum do meu comentário foi citada o seu nome.

Quando questionei o comportamento do Senhor viajante de uma maneira descontraída e interrogativa é que a sua publicação deu-me a entender que o mesmo foi só para o Vaticano ou Cidade do Vaticano, oficialmente Estado da Cidade do Vaticano, para entregar a vossa santidade, o papa, a carta-convite para aqui estar, o que será uma honra para nós todos, principalmente o povo baiano que tem a venerada e suas obras assistenciais como patamar de fé e um porto seguro nas suas aflições e necessidades. Por sinal o convite já está agendado para o ano de 2017. Não é verdade? Glórias a Deus.
Se os meu comentário foi mal visto, peço-lhe desculpas assegurando também que os do senhor foram infelizes no que se refere a minha integridade física e moral. 
Fui acusada de:
Falta de respeito a um homem público, que diante da gravidade dos últimos acontecimentos no que se refere á economia do país, tudo assusta e confunde  os interesses públicos dos particulares.
Falta de respeito a uma instituição? A quem devo muito, lembrando que a minha vida e meu sucesso profissional aí começou quando fui acolhida para fazer parte do grupo do alunado do curso na área da saúde lá pelos anos idos. Acredite, sou pioneira. Com muito respeito e orgulho.
Falta de respeito a uma classe trabalhadora hoje aposentada,? Felizmente ou infelizmente não sou, mas a classe já contribuiu com muitas coisas para hoje o senhor e eu acharmos prontos. Pense nisso... Se hoje desfrutamos de regalias inclusive na área da tecnologia, usando e abusando das redes sociais, muitos “alguéns” deram suor e sangue para que nós pudéssemos conversar assim amistosamente....
Democraticamente.

Falta de respeito a minha pessoa como idosa,? Menos mal, afinal todos nós envelhecemos se jovens não morremos. Não é verdade?
Mal amada,? não sabe o quanto fui amada pelo meu esposo, e ainda sou mais ainda pelos meus filhos. [Portanto....senhor Chico, amor não se pede, se conquista baseado no caráter, na moral, e uma boa educação, principalmente aquela de berço onde pai e mãe participa ativamente passando valores éticos e morais a sua prole. Sou desse tempo.

Quanto a ser “IDIOTA” asseguro-lhe que não faço parte do rol, pois o idiota é aquele que sofre de "idiotia", que é o diagnóstico atribuído ao indivíduo mentalmente deficiente, com grau avançado de atraso mental, ligado a lesões cerebrais. No estado de idiotia profunda, o portador desta patologia tem suas capacidades vitais reduzidas num estado semelhante ao coma. Tenha certeza que se assim fosse não estaria aqui conversando com o Senhor que logicamente não teria a capacidade de entender.

Quanto ao ser ”CASTRADA”? digo-lhe com certeza que ainda possuo todos os meus órgãos sexuais em perfeita e total funcionalidade. O ato da castração na antiguidade era praticado em alguns povos no sentido de preservar a sua origem. A minha é de origem de um homem só. Então não se aplica a pessoas como eu.

Coxinha...? pelo que eu entendo, agradeço-lhe pela  parte que me toca. Desconheço o significado vulgar a que atribui a minha pessoa.

Posso ser velha....feliz por isso aos meus 64 anos. Vai chegar lá? Espero que o senhor tenha a felicidade de alcançar e ultrapassar esses números de uma maneira saudável para curtir a idade, cheio de mais conhecimento e educação.

Sou do período da ditadura, mas estava na adolescência daí não ter assimilado a real situação.

Sou do tempo do OSPB nas escolas. Já ouviu falar sobre isso? Pois é....Organização social política brasileira. Ajudava os mais jovens em formação acadêmica a melhor entender de política e fazer escolhas conscientes em relação as suas necessidades interagindo socialmente com nosso povo. Procure saber o maior motivo da retirada da matéria do currículo escolar. O senhor pode se surpreender.
Politicamente falando... em plena crise financeira....contenção de despesas....arrocho salarial...ufá....viajar só para entregar uma carta-convite ficou mal colocado, não é mesmo? Deu para entender o teor do meu comentário?

Peço-lhe desculpas senhor. Espero ter correspondido as suas expectativas quanto a minha resposta ao seu comentário distinto que não faz jus ao seu perfil exposto na rede social por isso desde já lhe peço mais uma vez desculpas pelos erros de português cometidos na minha simplicidade de apenas 2º grau completo. Não tive o privilégio de cursar na faculdade. A vida é minha mestra enquanto viver.

Conselhos de uma velha gagá. Quando se referir a pessoas que o senhor não conhece, como eu, não sabe da minha índole, desconhece o meu caráter, não sabe do meu proceder, melhor será não colocar palavras ofensivas que geram tanto desconforto e conflitos.

A propósito com a sua permissão gostaria de dar ênfase a nossa conversa democrática estendendo-a para o meu blog no sentido de esclarecer o meu comportamento aos meus fieis seguidores que buscam sempre noticias dos últimos acontecimentos.
Confesso que anda um pouco desatualizado por motivo de trabalho voluntário com idosos e crianças. O senhor é voluntário da instituição? Já fui também. Trabalho brilhante e recompensador, o senhor não acha? Interessante, não?

Pois é..... com todo meu respeito e atenção, subscrevo Eliene, uma velha gagá em evidencia, graças a pessoas como o senhor. 

 photo assinatura_7_zpsff26786e.gif
O nome é fictício, João das couves, não desmerecendo as couves muito menos os “joãos”. Foi colocado para preservar o conteúdo em questão.
Estendo minhas desculpas á todos que por aqui passarem, mas fico triste em saber que o preconceito ainda é gerador de discórdias, conflitos pessoais, e constrangedor.  

01 outubro 2015

Idosos em evidência

Começa hoje a semana dedicada as pessoas com mais de sessenta anos, assim como eu, tendo como o dia primeiro de outubro, dia internacional do idoso, escolhido pela ONU, para homenagear essa turma cheia de sabedoria e vivencias para contar e fazer histórias. 
E lá vão andando pela estrada da vida.....até completar o ciclo das suas existências

        Eis mais uma de autor ignorado.
         A arte de envelhecer
Conta um jovem universitário que, no seu primeiro dia de aula, o professor se apresentou e pediu que todos procurassem conhecer alguém que não conheciam ainda.

Ele ficou de pé e olhou ao redor, quando uma mão lhe tocou suavemente no ombro. Deu meia volta e viu uma velhinha enrugada, cujo sorriso lhe iluminava todo seu ser.

Ela lhe falou sorrindo: "Oi, gato. Meu nome é Rose. Tenho oitenta e sete anos. Posso lhe dar um abraço?"
O moço riu e respondeu com entusiasmo: "Claro que pode!"
Ela lhe deu um abraço muito forte.
"Por que a senhora está na Universidade, numa idade tão jovem, tão inocente?" perguntou-lhe o rapaz.
Rindo, ela respondeu: "Estou aqui para encontrar um marido rico, casar-me, ter uns dois filhos, e logo me aposentar e viajar."

"Eu falo sério", disse seu jovem colega. "Quero saber o que a motiva a enfrentar esse desafio na sua idade."
Rose respondeu gentil: "Sempre sonhei em ter uma educação universitária e agora vou ter."
Depois da aula, ambos caminharam juntos, por longo tempo, e se tornaram bons amigos.
Todos os dias, durante os três meses seguintes, saíam juntos da classe e conversavam sem parar.
O jovem universitário estava fascinado em escutar aquela "máquina do tempo". Ela compartilhava com ele sua sabedoria e experiência.

Durante o curso, Rose se fez muito popular na Universidade. Fazia amizades onde quer que fosse.
Gostava de se vestir bem e se alegrava com a atenção que recebia dos outros estudantes.
Ao término do último semestre, Rose foi convidada para falar na festa de confraternização. Naquele dia, ela deu a todos uma lição inesquecível.
Logo que a apresentaram, ela subiu ao palco e começou a pronunciar o discurso que havia preparado de antemão. Leu as primeiras frases e derrubou os cartões onde estavam seus apontamentos.
Frustrada e um pouco envergonhada, se inclinou sobre o microfone e disse simplesmente:

"Desculpem que esteja tão nervosa. Não vou poder voltar a colocar meu discurso em ordem. Assim, permitam-me simplesmente dizer-lhes o que sei."
Enquanto todos riam, ela limpou a garganta e começou:
“Não deixamos de brincar porque estamos velhos; ficamos velhos porque deixamos de brincar”.
Há alguns segredos para manter-se jovem, ser feliz e triunfar.
Temos que rir e encontrar o bom humor todos os dias.
Temos que ter um ideal. Quando perdemos de vista nosso ideal, começamos a morrer.
Há tantas pessoas caminhando por aí, que estão mortas, e nem sequer sabem!

Há uma grande diferença entre estar velho e amadurecer. Se vocês têm dezenove anos e ficam um ano inteiro sem fazer nada produtivo, se converterão em pessoas de vinte anos.
Se eu tenho oitenta e sete anos e fico por um ano sem fazer nada de útil, completarei oitenta e oito anos.
Todos podem envelhecer. Não requer talento nem habilidade para isso. O importante é amadurecer, encontrando sempre a oportunidade na mudança.

Não me arrependo de nada. Nós, de mais idade, geralmente não nos arrependemos do que fizemos, mas do que não fizemos.

“E, por fim, os únicos que temem a morte são os que têm remorso.”
Terminou seu discurso cantando "A rosa". Pediu a todos que estudassem a letra da canção e a colocassem em prática em suas vidas.

Rose terminou seus estudos e, uma semana depois da formatura, morreu tranquilamente, enquanto dormia.
Mais de dois mil estudantes universitários assistiram as honras fúnebres, para render tributo à maravilhosa mulher que lhes ensinou, com seu exemplo, que nunca é demasiado tarde para chegar a ser tudo o que se pode e deve ser.

O importante não é acumular muitos anos de vida, mas adquirir sabedoria em todos os momentos que os anos nos oferecem.
Afinal, envelhecer é obrigatório, amadurecer é opcional.

Pense nisso!
 photo assinatura_7_zpsff26786e.gif


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...