.

.

Mensagem do dia

31 dezembro 2016

Novo ano feliz


28 dezembro 2016

Degustando os sapos da política brasileira.

Sergio Augusto Oliveira Siqueira me disse o seguinte:

O que os nossos governos centrais têm feito, desfeito e refeito com defeito, todos nós estamos fartos de engolir. Todos sabem o gosto amargo e os dissabores que nos enfiam goela abaixo.

De Sarney pra cá o cardápio tem sido só de dissabores. 
O Chef de Cuisine et Bain menos pior dentre eles, foi Itamar Franco, o Breve.
Ele nos cozinhou em fogo lento e se dedicou o tempo todo ao feijão com arroz do seu regime de café com pão de queijo.

A CASA: COZINHA E 26 CÔMODOS
O Brasil tem sido uma enorme Casa da Mãe Joana. 
Tem uma cozinha que se chama Brasília e uma área coberta por 26 grandes acomodações que se chamam de estado. Todos viciados nos mais diversos tipos de sabores e variedades de ingestão e indigestão.

O que é servido em Brasília não serve, no mais das vezes, para ser digerido nos outros 26 cômodos da casa que atende pelo codinome de Federação. É que as ceias de Brasília são banquetes de cardeais, acostumados com os manjares dos deuses. Ou, do diabo na Terra do Sol.

TANCREDO FOI O MELHOR CHEF DE CUISINE ET BAIN QUE O BRASIL NÃO TEVE
Tem sido assim de 1985 pra cá, quando Sarney virou Mäitre No lugar de Tancredo que foi o melhor Chef de Cuisine et Bain que o Brasil não teve.

Foi ali que os grandes comensais começaram a se banquetear com bocados de democracia tirados do bolo fecal das mais pesadas e indigestas tortas ditas duras. Foi ali que eles fizeram a conversa sair das salas e ir para a cozinha.

De 85 para cá assumiram o papel de Grand Gourmet: 
Zé Sarney, o Emaranhado; 
Fernandinho Beira-Collor; 
Itamar Franco o Breve; 
FHC o Príncipe dos Sociólogos; 
Lula A Metamorfose Ambulante; 
Dilma Vana a Mulher Sapiens e, agora, 
Michel Temer o Mordomo do Vampiro.

Ufa! Que safra de péssimos cozinheiros! Um pior do que o outro. O que um fez mal o outro fez pior. Mas, de Lula pra cá. Só deu pirão na chapa. Que mistureba.
E então, tem sido assim. Mas não só assim.

DA COZINHA PARA OS 26 CÔMODOS E 5.671 PONTOS DE GASTRONOMIA FULEIRA
É que o brasileiro não leva em conta que vem sendo fritado não só na cozinha, como nos outros 26 salões de degustação contínua e escassa, de gosto temperado mais à moda, digamos, da casa da Mãe Joana.

Tome seu estado natal um dos 26 mais o Distrito Federal como um centro de degustação rápida e rasteira. Engula o seu governador, enquanto os outros vorazes cidadãos dos outros estados vão digerindo os governadores deles lá.

Junte-se a eles e enfileirem todos os Chefs de Cuisine et Baine que cada estado teve de 1985 até hoje. 
Multiplicados por 26, esse bolo vai dar um prato cheio. 
Vai ser fácil reuni-los num pátio, num quintal desses currais eleitorais: eles atendem pelo apelido de “governador” ao estalar dos dedos de cada eleitor já farto de esperar por refeições decentes e digeríveis.

A fila deve obedecer, ou não, à escala do desgosto que eles causaram, mandato por mandato, prato por prato, pelos quais vocês pagaram o pato para comer gato por lebre. Reserve-os. Deixe-os marinando até chegar a hora de fritar.

PORÇÕES DESMEDIDAS
Enquanto os governadores “marinam” epa! saiba que as porções desmedidas, em estado por estado da Federação, vêm em forma de pontos de comilança sob a alcunha de Prefeituras.

Os seus Chefs de Cuisine prestam o melhor serviço que está o seu alcance ao serem chamados de prefeitos. 
O que lhes parece essencial é supérfluo e intragável. 
Veja só o que eles têm feito vocês engolirem até aqui... 
Credo, quanto destempero!

Ninguém sabe explicar como mais de 200 milhões de brasileiros não padecem de desarranjo, nessa desarvorada revolução intestina. Afinal, são 5.671 servidores de maus serviços que lhes impingem goela abaixo o que há de malfeito e indigesto.

E então, pronto. Pegue agora aquela massa indigesta dos Grands Gourmets que restam de Sarney pra cá e junte com o grupelho, com a panela dos governadores que ficou marinando até aqui.

Misture tudo com esses últimos 5.671 entendidos da nossa cozinha e do que gostaríamos de comer nas nossas cidades e, nem tente limpar antes de levar ao forno. 
Deixe queimar por um bom tempo.
Quando o bolo estiver torriscado jogue-o fora. Não se meta a provar. Não dá pra digerir. Você pode se envenenar.

26 dezembro 2016

Carpe Diem?

Você conhece a expressão Carpe diem?
O termo foi escrito pelo poeta latino Horácio (65 a.C.-8 a.C.).
Quis dizer ele “colha o dia de hoje, o tempo presente, usufruindo os momentos intensamente, sem confiar minimamente no que o futuro reserva”.
 O futuro é a morte. A única certeza que todo o ser vivente tem sabendo que é breve o espaço do tempo até o dia depois de hoje e que deve ser aproveitado antes que seja tarde.

De que chamamos o dia depois do hoje?  De amanha?
Existe um amanhã? Ou é um dia após de hoje?
O certo é que a cada manhã acordamos com um novo desafio.
Hoje... Sempre hoje, o de nos manter vivos.
Dizer que ninguém esperava o que de ruim acontece é cruel e desumano.
E quem vai aguardar ansiosamente o inesperado?
O que de fato maltrata e fere?

Certeza é que em uma fração de segundo, o controlador de destinos implacavelmente te consome, muda, transforma, mata e nos faz querer segurar o tempo que nos escapa por entre os dedos da agonia.
Conte o tempo sempre como hoje e refira ao outro dia como depois de hoje.

Este tema é muito popular no âmbito da literatura, e vários autores, mesmo sem usar a expressão, defenderam o carpe diem ao longo das suas obras e vão te inspirar a querer aproveitar melhor o teu dia!
Vamos ver e colocar em prática. Viver mais... Reclamar menos.
A vida é breve, por isso agora é hora de parar de reclamar e aproveitar o que a vida te dá de bom dia após dia.

Vamos lá? Carpe diem! 

25 dezembro 2016

Eu sou o tempo.

Eu sou o tempo,
Você acha que eu passo rápido, que eu não volto que eu não perdoou É verdade!
Mas agora eu estou aqui pra gente conversar com calma;
Você sempre pediu mais tempo e isso eu nunca pude dar.

Então a humanidade criou esse incrível mundo digital e você virou senhor de cada minuto.
Mas pelo que eu vejo o ano já está acabando e todos continuam correndo contra o relógio,
Por isso eu gostaria de te dar um conselho Pense menos em mim e mais em você!
É perdendo tempo que se ganha à vida!
Neste ano, quanto tempo você passou com a sua família?
Dando beijos?Jogando conversa fora com os amigos?
O segredo do tempo não está nas horas que passam,
Está nos momentos que ficam que são eles que vão contar a sua história.
Eu sei disso Eu sou o tempo!

COMERCIAL DO BANCO ITAÚ

24 dezembro 2016

Um prato difícil de preparar.

Família é prato difícil de preparar.
São muitos ingredientes. Reunir todos é um problema, principalmente no Natal e no Ano Novo.
Pouco importa a qualidade da panela, fazer uma família exige coragem, devoção e paciência.
Não é para qualquer um.
Os truques, os segredos, o imprevisível.
Às vezes, dá até vontade de desistir.
Preferimos o desconforto do estômago vazio.
Vêm á preguiça, a conhecida falta de imaginação sobre o que se vai comer e aquele fastio. Mas a vida, (azeitona verde no palito) sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite. O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares.
Súbito, feito milagre, a família está servida.
Fulana sai a mais inteligente de todas.
Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade.
Sicrano, quem diria?
Solou, endureceu, murchou antes do tempo.
Este é o mais gordo, generoso, farto, abundante.
Aquele o surpreendeu e foi morar longe.
Ela, a mais apaixonada.
A outra, a mais consistente.
E você?
É, você mesmo, que me lê os pensamentos e veio aqui me fazer companhia.
Como saiu no álbum de retratos?
O mais prático e objetivo?
A mais sentimental?
A mais prestativa?
O que nunca quis nada com o trabalho?

Seja quem for não fique aí reclamando do gênero e do grau comparativo. Reúna essas tantas afinidades e antipatias que fazem parte da sua vida. Não há pressa. Eu espero. Já estão aí? Todas? Ótimo. Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados. Logo, logo, você também estará cheirando a alho e cebola.
Não se envergonhe de chorar.
Família é prato que emociona. E a gente chora mesmo.
De alegria, de raiva ou de tristeza.

Primeiro cuidado: temperos exóticos alteram o sabor do parentesco. Mas, se misturadas com delicadeza, estas especiarias, que quase sempre vêm da África e do Oriente e nos parecem estranhas ao paladar, tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa.

Atenção também com os pesos e as medidas. Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto, é um verdadeiro desastre.

Família é prato extremamente sensível. Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido. Outra coisa: é preciso ter boa mão, ser profissional. Principalmente na hora que se decide meter a colher. Saber meter a colher é verdadeira arte. Uma grande amiga minha desandou a receita de toda a família, só porque meteu a colher na hora errada.

O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita. Bobagem. Tudo ilusão. Não existe Família à Oswaldo Aranha; Família à Rossini; Família à Belle Meunière; Família ao Molho Pardo, em que o sangue é fundamental para o preparo da iguaria. Família é afinidade, éà Moda da Casa”.
E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito.

Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras apimentadíssimas. Há também as que não têm gosto de nada, seria assim um tipo de Família Dieta, que você suporta só para manter a linha. Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo. Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.

Enfim, receita de família não se copia, se inventa.
A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia a dia.
A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel. Muita coisa se perde na lembrança. Principalmente na cabeça de um velho já meio caduco como eu. O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer.
Se puder saborear, saboreie.
Não ligue para etiquetas.
Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro.
Aproveite ao máximo.
Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete.

"O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem"
("O Arroz de Palma, de Francisco Azevedo)

Um natal cheio de família para você.

Uma família cheia de natal pra você. 

20 dezembro 2016

Rumo a 2017

Recebi esta mensagem, pelo WhatsApp.
Desconheço a autoria.
Achei uma mensagem sensacional e bem apropriada para a época de Natal e Ano Novo.
Resolvi compartilhar com você.
Atenção senhores passageiros!
Está na hora de renovarem os passaportes!
Estaremos dentro de pouco tempo, começando mais uma viagem, com um tempo previsto em todo o trajeto de 365 dias.
Carimbem o passaporte, definam o destino e embarquem na plataforma 2017.
Quem tiver mágoas, ressentimentos, pendências e tristezas antigas na bagagem, favor descarregá-las no Balcão 2016, ao lado dos banheiros.

Recomendamos o uso dos sapatos da boa vontade e as camisas do otimismo, evitando, durante a viagem, as saias justas da competitividade insana e os nós da gravata da ambição desenfreada.

Os passageiros que portarem sorriso nos lábios, coração aberto e mãos prontas a construir terão assento preferencial ao lado da janela da felicidade.

Solicitamos a todos que apertem o cinto da esperança e recomendamos que ninguém, em hipótese alguma, utilize a saída de emergência durante a viagem.
Caso haja períodos de turbulências, mantenham a calma e a confiança no piloto desta aeronave, o Grande Comandante Universal. Deus.

Em qualquer situação de medo ou desespero, contem também com nosso atendimento de bordo realizado, permanentemente, por nossos anjos do espaço que estarão ao lado de cada passageiro.

Recomendamos durante todo o trajeto, atitudes de solidariedade, de atenção e carinho, principalmente, com as crianças e idosos, o que garante a participação em nosso programa de milhagem.

O ar das cabines, em virtude das ações do homem, está extremamente seco, por isso, sugerimos a ingestão de água durante toda a viagem.
Além disso, moderação com os alimentos gordurosos. Recomendamos, também, exercícios físicos como exercitar as pernas, braços e pés, evitando os inchaços prejudiciais à saúde.

Importante lembrar que, embora tenhamos pessoas viajando em classes diferentes, nada assegura que na próxima viagem os passageiros terão direito aos mesmos assentos.  Portanto, respeito e bom relacionamento com cada companheiro de viagem, independente da classe a qual pertença, será motivo de avaliação no momento do checkout.  Para isto lembramos utilizarem o crachá da amizade e palavras de agradecimento e compreensão.

Como já é de conhecimento de todos, teremos muitas escalas durante o trajeto, o que implica na necessária entrada e saída de pessoas, valendo recordar em todos os momentos da contínua confiança no Grande Comandante Universal.  Deus;
A todos, uma excelente viagem.
A todos um feliz natal e um novo ano de novidades boas.

18 dezembro 2016

O último discurso

Charles Chaplin viveu uma dura realidade no filme “o grande ditador”, mas  no seu último discurso, mais atual impossível, defendeu os  direitos humanos chamando os homens para a  luta a fim de  combater a desigualdade...a corrupção...o abuso de poder....
Isso lhe lembra de alguma coisa? Alguma situação?
Pois é... Compartilho com vocês essa obra prima.

Sinto muito, mas não pretendo ser um imperador. Não é esse o meu ofício. Não pretendo governar ou conquistar quem quer que seja. Gostaria de ajudar a todos - se possível - judeus, o gentio... Negros... Brancos.
Todos nós desejamos ajudar uns aos outros.
Os seres humanos são assim.

Desejamos viver para a felicidade do próximo - não para o seu infortúnio.
Por que havemos de odiar ou desprezar uns aos outros?
Neste mundo há espaço para todos.
A terra, que é boa e rica, pode prover todas as nossas necessidades.
O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos.
A cobiça envenenou a alma dos homens... Levantou no mundo as muralhas do ódio... E tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios.
Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela.
A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria.
Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, emperdenidos e cruéis.
Pensamos em demasia e sentimos bem pouco.
Mais do que máquinas, precisamos de humanidade.
Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura.
Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

A aviação e o rádio aproximaram-nos muito mais.
A próxima natureza dessas coisas é um apelo eloquente à bondade do homem... Um apelo à fraternidade universal...
À união de todos nós.

Neste mesmo instante a minha voz chega a milhões de pessoas pelo mundo afora... Milhões de desesperados, homens, mulheres, criancinhas... Vítimas de um sistema que tortura seres humanos e encarcera inocentes.
Aos que me podem ouvir eu digo: "Não desespereis!"
A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia... Da amargura de homens que temem o avanço do progresso humano.

Os homens que odeiam desaparecerão, os ditadores sucumbem e o poder que do povo arrebataram há de retornar ao povo.

E assim, enquanto morrem homens, a liberdade nunca perecerá.

Soldados! Não vos entregueis a esses brutais... Que vos desprezam... Que vos escravizam... Que arregimentam as vossas vidas... Que ditam os vossos atos, as vossas ideias e os vossos sentimentos!

Que vos fazem marchar no mesmo passo, que vos submetem a uma alimentação regrada, que vos tratam como um gado humano e que vos utilizam como carne para canhão!

Não sois máquina! Homens é que sois!
E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar... Os que não se fazem amar e os inumanos.

 Soldados! Não batalheis pela escravidão! Lutai pela liberdade!

No décimo sétimo capítulo de São Lucas é escrito que o Reino de Deus está dentro do homem - não de um só homem ou um grupo de homens, mas dos homens todos!

Está em vós!
Vós, o povo tende o poder - o poder de criar máquinas. O poder de criar felicidade!
Vós, o povo tende o poder de tornar esta vida livre e bela... de fazê-la uma aventura maravilhosa. Portanto - em nome da democracia - usemos desse poder, unamo-nos todos nós.
Lutemos por um mundo novo... Um mundo bom que a todos assegure o ensejo de trabalho, que dê futuro à mocidade e segurança à velhice.

É pela promessa de tais coisas que desalmados têm subido ao poder. Mas, só mistificam! Não cumprem o que prometem. Jamais o cumprirão! Os ditadores liberam-se, porém escravizam o povo. Lutemos agora para libertar o mundo, abater as fronteiras nacionais, dar fim à ganância, ao ódio e à prepotência.
Lutemos por um mundo de razão, um mundo em que a ciência e o progresso conduzam à ventura de todos nós.
Soldados, em nome da democracia, unamo-nos.

Hannah, (A lavadora por quem ele se apaixona) estás me ouvindo? Onde te encontres, levanta os olhos! Vês, Hannah?! O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo - um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança.

Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...