.

.

Mensagem do dia

27 setembro 2017

Eu acho que não só eu, mas, vez em quando visitamos caixas...baús... em busca por  valores guardados, e a gente sempre tem alguma coisa, não é verdade?  em uma dessas minhas futucanças, achei uma relíquia em papel já amarelado pelo tempo, datado 15 de julho de 1979, um escrito sem autor definido e por curiosidade, eu resolvi verificar quem seria o dono da obra. E lá se vão janeiros....

Pois bem... Surpresa... Seria Vinicius de Morais ou Carlos Drummond de Andrade? Você sabe me dizer?
                  
                                         Procura-se um Amigo
Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimento, basta ter coração.
Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir.
Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.
Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.

Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão.Pode já ter sido enganado, 
pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja de todo impuro, mas não deve ser vulgar.
Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo.
Deve sentir pena das pessoas tristes e compreender 
o imenso vazio dos solitários. 
Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.

Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, 
que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. 
Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, 
não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. 
Precisa-se de um amigo para se parar de chorar.
Para não se viver debruçado no passado em busca de 
memórias perdidas.
Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando,
 mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência 
de que ainda se vive.

E aí...sabe de quem é?
Amigos é sempre bom e bem vindo. Não é verdade?
É coisa de se precisar sempre.

1 comentário :

CÉU disse...

AMIGA, AMIGA, QUERIDA!

Todo o mundo faz buscas em baús, gavetas, caixas e caixinhas, enfim, em lugares só nossos e que só nós conhecemos.

Nessa busca você foi encontrar, uma preciosidade, querida amiga Eliene! Adorei o texto, que não conhecia e que julgo ser de Vinícius de Moraes. Drummond escreveu outro, mto semelhante, mas se chama: Precisa-se de um amigo". Ambos foram grandes escritores e poetas, que julgo que ainda não foram "substituídos".

Beijos, minha linda e espero que esteja bem mais animada. Eu Eu estou, sempre, por perto de você, mesmo que um oceano nos separe!

BOA SEMANA E LUMINOSO MÊS DE OUTUBRO!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...